Talvez os ventos sejam inéditos passos de dança

Que te movimenta

Empurra

Salta

Talvez esses impulsos venham como sopros em ti

O ar que te envolve numa dança

Expressando a força de um tufão

Alegre

Ventoso

Dois pra lá e dois pra cá

As estrelas iluminavam àquela noite

Seu toque

Minha liberdade em te tocar

E a nossa dança

Eternamente viva

A floresta parecia nos impulsionar mais ainda ao movimento

Que sempre nos aproxima

Seus olhos nos meus

O ritmo se acelerando

E a contemplação ao nosso momento

Parece que estão nos olhando

O espírito da floresta com bons olhos

Mas os outros humanos…

Navalhas cortantes

Vergonhas absolutas

E em seguida, uma dose universal de muita força

Que não deixava a música parar

Nossa dança conectada, presente, atraente

Os olhos invejosos não entendiam este luar

Porém há expressões corporais que não podem terminar

E eu sei que eu tenho problemas com términos

Mas a bem da verdade, eu viro a página muito bem

Tão bem que é um ritual importante este que antecede despedidas

Se é pra virar a página, que seja pra terminar o livro

De vez

Pra agradecer pelo bailado

Consagrar o final da dança

A despedida dos amores antigos

E do amante que eu sempre fui

Amei muito

Tudo termina

E o recomeço é a única coisa que eu nunca tive medo de atrair

Não tem nada mais bonito do que a vida me presentar com uma noite dessas

Ou com o dia que raiou em seguida

Mudando tudo

Afastando o seu toque

Me retirando do seu abraço

Evidenciando em mim o ser que eu sou

Ou o quanto eu preciso me amar

É uma viagem absoluta esta dança…

Conhecer a floresta…

Ser parte da mata…

Nossos pés se arrastavam pela grama molhada daquela noite

Usávamos os dedos dos pés e o metatarso que os sustentam

Tudo isso na terra

Buscando o seu pé também conectado com o chão

Aterragens universais

Pensei por alguns momentos que a minha solidão acabara

Porém a noite é um infinito

Nada termina sem antes por ela transpassar

E aquela companhia me fez um bem que há muito tempo eu não sentia

Achei que estava acompanhado na vida, novamente

Mas terminei a escuridão que o luar deixou para trás

E retornei à tudo o que sou

Sou sozinho

Terei cinco filhos e serei pai solo

E isso é algo para também agradecer

Se libertar

E nessas libertar todo o mundo

Todos juntos

Mas cada um por si

Guerreando o bastante para vencer a batalha

E é impossível vencer em nome de outra pessoa

Méritos próprios

Acorde

Vá trabalhar

O dia começou e é bom que você comece junto

Ou a escuridão da noite em que você se prendeu

Jamais te deixará auto iluminar

Preso em seu próprio quarto escuro

Se negando ao despertar

Você sempre errou desse jeito, não erre mais uma vez

Fui além.

E foi a coisa mais linda que eu já fiz por mim.

Igor Florim