Ainda é manhã

O sol baixinho

E o mundo falando de outras coisas

Será que estou fazendo o certo

Acordar tão cedo assim

Vir parar tão longe de onde durmo

Porém me sinto muito bem

Zero sono

Não parece que ontem eu tive o dia que eu tive

Precisei só respirar e pensar profundo durante um bom tempo

Às vezes tudo fica pesado demais

Mas já entendi que é parte do processo

Nessas eu tenho ido além…

E poucas coisas são mais valiosas do que libertar-se

Usando garras para tirar a escuridão do meu peito

Me rasgando por inteiro

Mas acordando assim

Ajudando para que o novo dia seja um dia lindo

Dói muito se permitir o tempo inteiro

Então fui entendendo que esse era o objetivo

Me permitir

O tempo inteiro

Eu amo essa parte da cidade

As pessoas com seu tempo próprio

Recebendo constantes visitantes

Todos calmos com a energia daqui

Eu amo estar vivo nessa cidade

E não preso dentro do meu quarto numa quarentena civil

Estamos em guerra

Porém o pessoal daqui desse canto da cidade, ignoram as guerras

Armistício constante

Me queriam gritando

Anunciando o caos

Mas tenho coisas mais importantes para fazer

Não importa quantas vezes você caia

Entenda que um novo dia está por vir

E vá contando para você entender, quantas vezes você cai

E quantas vezes você se levanta

Seu tempo de resposta diz muito sobre você

Não seja cego

Diz respeito a ti

Recebi um bilhete, hoje de manhã

Talvez se eu não acordasse tão cedo, não receberia

Ele me trouxe palavras do mundo

Versos

Coisas que eu nunca li antes

Quem sabe um dia, o amor e a liberdade seja como num conto poético

Com seus guerreiros vigiando seus respectivos pares

Cuidando pra que nunca falte nada

Há amor aqui nessa parte da cidade

Querem que eu me mude pra cá

Mas já disse – não contem comigo para esse tipo de motim

É o mesmo que me pedir para votar em ti

Nunca vote em quem pede votos

Escolha em quem votar

Não contem comigo para essa farra.

As pessoas daqui já tem seus costumes próprios

Mas visitantes quiseram me derrubar

Saiam já

Usei a minha força

Venci

Só nas palavras

Quando eles se viraram, pediram desculpas e saíram… me dei por acabado

Sentei no chão

E parei de interpretar com aquela intensidade

Meu peito até doeu

Mas eu enfrentei trinta homens e algumas mulheres

Queriam acabar com aquela parte da cidade

Expulsar os moradores

Trazer tudo novo outra vez

Esse gente já sofreu demais

Fui o único que gritou para defende-los

Eles próprios não me conheciam e não esperavam nada de mim

Não se uniram ao meu coro

Meu peito era feito de lanças

Olhei no olho de toda aquela multidão armada

Chegando nessa parte da cidade

Cangaceiros urbanos

Poucas ideias

Passei mal durante alguns segundos depois que terminamos o confronto

Agora entendo que eu era um guerreiro

Só servindo

E dentro de mim havia a população inteira daquela área da cidade

Todos me fortalecendo

Não tivemos medo

Botamos os homens e mulheres para correr

Não tínhamos nenhuma arma

Mas éramos políticos num palanque

Usando as palavras ideais para vitórias concretas

Enganamos os bandidos

Eles não vão pegar essas terras tão cedo

Vou me mudar pra cá

Venho assumindo dores para mim

Coisas que eu enfrento com facilidade quando comparado com pessoas que não se curam nunca

Então o que me custa?

Dores nas costas

Pontadas na cabeça

Peito apertado

Mas faço de verdade

E não fico calculando o feito. Apenas vou pra minha casa quando termino

O dia já quase escurece

Fiz tanta coisa

Acordei tão cedo

Há em mim agora um buraco, contudo

Não sei explicar

Pode ser que seja uma angústia

Uma solidão

Porém ela nunca foi o bastante pra me parar

A gratidão por estar vivo é sempre muito maior

Mas esse buraco guarda muita coisa

Mesmo abrindo ele todo dia

E enfiando mãos alheias para que tirem tudo isso de mim

Perceba, eu enfrento o mundo com as armas que tenho

Mas as que me faltam, causam este dano todo

Porém esse buraco já foi um dia uma cratera

Atualmente apenas sutis mãos conseguem me ajudar

Não estou com pressa

Estou me curando

O devagar e sempre me seduz constantemente

E amanhã será um novo dia

Eu só preciso cantar uma coisa, antes de ir dormir

Esses são os meus pequenos rituais.

Igor Florim