Hoje cedo eu saí da cidade e fui até o monte alto

Lá de cima a vida é tão diferente

A cidade distante despertando junto com o novo dia

O sol já aquecendo com seus primeiros raios

Essa noite eu não dormi bem

Acordei de vinte em vinte minutos

Foi um desespero

Não sei por que isso acontece

Minha cabeça cheia de todas as coisas, o cansaço vital, meu corpo que se arrasta para a cama e mais uma tentativa frustrada de sonos calmos

Do jeito que eu deitei, acordei um tempo depois

Ainda imóvel

Fiquei olhando o teto do quarto… as luzes que entram pela parte de cima da cortina… os desenhos luminosos no breu de onde eu durmo… e eu ainda lá

Tentando fazer tudo ficar bem

O tempo voou

Quando percebi o dia já estava raiando e eu que dormi tão pouco resolvi fazer o que eu faço constantemente: fazer ficar tudo bem

Mesmo cansado levantei a poeira da minha vida

Arrumei a cama

Vesti meu tênis

E fui lá pra cima

Eu me recuso em perder esse belo dia

Essa oportunidade de um recomeço definitivo

Eu me recuso

Então estou vivendo. Aos trancos e barrancos, vivendo

Foi isso o que eu fiz até aqui. E você?

O telefone mudo

Só eu falava

É uma apatia esse tipo de troca

A bem da verdade, eu não queria falar nem ouvir

Mas falei

E ouvi tão pouco

Parece que ela queria evitar esse diálogo comigo

Então que os desejos sejam feitos – não falarei mais contigo

Almocei na padaria da esquina no final daquela manhã

Foi bom conversar com os vizinhos, rir um pouco

Talvez melhor do que trocar essas palavras com a curiosidade que me ligou

Sinto muito mas não estou disponível para ti

Na padaria me tratam tão bem

Há uma pessoa que sempre me olha quando estou lá

E quando cruzamos nossos caminhos, cumprimentamos um ao outro com belos sorrisos

Não sei por que mas hoje ao terminar o meu almoço, me levantei e segui até ele

Já avistei o seu sorriso quando me notou

E por instinto ou carência:

Te vejo lá em casa hoje depois do seu expediente?

E ouvi um sim junto com o mesmo sorriso

Porém dessa vez um espanto sem igual

Acho que era isso que precisávamos

Acho que foi por isso que nos olhamos por tantos dias

Ainda bem que deu certo, talvez eu ficasse internamente sem graça se isso não acontecesse

Mas por fim me motivou tanto

Fui correndo para o meu apartamento deixar tudo arrumado

E fiquei lá

Esperando

Esperando

Esperando

Era você tocando a minha campainha

Entre

E aí! Foi bom o trabalho hoje? Sinta-se em casa! Quer algo pra beber?

Ele chorou

Me pediu desculpas por isso, mas chorou

Eu perguntei se havia algo que eu pudesse fazer, ouvi um não

E então eu abracei aquele cara

Falei para ele chorar

Chore

Chore de verdade

Só pare quando tudo isso acabar

Ficarei aqui contigo

E me peça qualquer coisa que for te ajudar

Ele me olhou e sorriu

Pediu desculpas novamente

Parece que eu absorvi um pouco daquele caos durante o abraço

Porém as coisas fluíram melhor depois disso

Mostrei o meu lar

Conversamos um pouco e eu sugeri um passeio ao luar

Ele não exitou

Os passos eram lentos

A gente não tinha pressa

Eu ouvi os motivos por ele ter chorado quando entrou em casa

Absorvi mais caos ainda

E agora quem pediu desculpas fui eu

Sinto muito mas eu também não estou bem

Talvez tenha sido um engano te convidar para um passeio

Juro que você não é o problema, mas outro dia vamos mais adiante com o nosso encontro, tudo bem?

Me sinto fraco, sei lá

Me ligue depois, juro que tentarei mais uma vez te ajudar, mas agora preciso partir

Virei de costas

Andei

Acelerei

Corri

Abri a porta de casa e fui direto pra minha cama

Preciso descansar

Não consigo pegar no sono

Fico lembrando dele e no quanto eu não fui bom o bastante pra ele naquele dia

É tanta coisa

Juro que eu queria apenas ficar bem mas nem sempre estou

Então vou dormir

Fecho os olhos e nada

Viro, reviro a cama e os cobertores, e nada

Fiquei tanto tempo nesse fluxo que o dia logo irá nascer

Eu ainda não dormi

Não sei bem o que está acontecendo

Vou tentar descansar, acho que hoje não terei forças para ir até o monte alto da cidade… ficarei por aqui mais um pouco

E tudo passa tão depressa

Essa dor que não passa

E eu agindo assim, não tenho pressa

Mas eu não vou desistir

Ainda quero ter esse belo encontro

Pedirei desculpas se for o caso

E se ele não aceitar, entenderei

Voltando para a minha casa todos os dias

Rindo quando a risada surgir e me deitando cansado quando nada mais restar

Eu não desistirei

Mas sairei dessa

Meu telefone tocou a noite toda

Não era ninguém importante

Acho que ninguém mais importa

Só a minha família

Não vou atender esses números aleatórios

O mundo que se exploda!!!

Eu quero paz

E a noite acabou

O dia voltou com força

Me falta um pouco de força

Abri a janela usando poucos músculos

Quase nenhum esforço

O sol me mata

Eu não estou pronto para esse dia, preciso fazer alguma coisa

Juro que quando me decidir da ação, volto ao meu exercício vital de viver

Mas até lá, estarei me recuperando, com muito carinho a mim

Numa dessas tudo muda

E quem sabe assim, eu mude junto. Por inteiro.

Igor Florim