Acho que o mundo voltou ao normal

Todos estão saindo para fora de suas casas

É um despertar em massa

Assim que o sol raiou eu já estava na rua

Com aquele calor na minha testa

O mundo rugia feito um tigre

Essa era a naturalidade das coisas. Os resgates ancestrais de cada um

Você melhorou? Está tudo bem?

E por dentro eu pensei em responder exatamente o que se espera

Estou ótimo

Cortei caminho

O assunto morreu

As pessoas agora acessam seus verdadeiros rostos

Lembram de alguma coisa

Poucas pessoas ainda não conseguiram levantar o véu

Estão travadas em velhos costumes

Mas há o caminho para todos e a ordem do universo é fluir

Portanto cedo ou tarde conseguirão também

A maioria das Igrejas fecharam suas portas

Afinal é tão simples fechar os olhos e se conhecer que todos os espetáculos encenados durante séculos ou milênios simplesmente não continuam mais em cartaz

Mas um pouco de ti ainda me consome

Esse é o meu maior erro

Enquanto você fala eu te observo igual assisto um filme

Atento

Esperto

Sagaz

Compreendo desses seus sinais

Nossa, que calor por essas ruas

O mundo está exalando altas temperaturas

Em breve teremos mais vulcões e grande ondas mudando a geografia

Existem coisas que se transformam

E você fica lá, contemplando

O mapa do mundo não será o mesmo

A trilha é interior

Acordei cedo

Ainda não comi coisa alguma

E o sol me consumindo

Parece até que o mundo é um inferno

E o sol queimando o mundo todo

Esse caos ainda é um pouco de ti soando dentro de mim

Note o quanto eu afeto o mundo

Todos sentem essa energia que sai de você

Talvez falte alguns passos para o meu dia acabar

Talvez eu fique eternamente nesse deslocamento

Mas o mundo me derrete em altas temperaturas

Esse sol que ferve a minha pele

Essa multidão que me esbarra

Minha pele machucada

Parem de trombar em mim

E meu sangue em todos os que esbarraram

Minha pele fina se cansa do atrito da fibra

Se soltando por aí…

Eu estou me desmontando…

Existo de um outro modo agora

Sou tanta coisa

Tudo isso quando eu saí de casa. E você nem notou o meu movimento

Não voltei nunca mais

Existem erros que eu cometo, com orgulho eu cometo

Mas uma única vez

Não mais do que isso

Mesmo que ninguém me note eu ainda irei me locomover por este sol

Sempre em frente

Até que meu corpo não seja mais um corpo

Ou minha voz não seja mais uma voz

E nessas a gente vá além

Quem sabe assim fazendo alguma arte

Me afastando por completo de ti

E de tudo o que é você

Que me contamina

Me rasga a pele

Me queima sem parar

Nunca mais eu irei voltar para casa. Você já sabia dessas coisas

Mas não notou coisa alguma.

Igor Florim